Ana Kesselring


A artista vem desenvolvendo um trabalho que se foca na compreensão e representação de uma noção de corpo expandido. O corpo, no caso de sua pesquisa, engloba o humano - na maior parte das vezes feminino -  mas também o corpo animal, vegetal e mineral. Buscando maneiras de amalgamar esses elementos diversos, de forma a refletir a interdependência dos corpos do mundo e a interligação de todas as espécies viventes. Os trabalhos são constantemente fragmentados, de forma a evidenciar uma vontade de unir, mas também a dificuldade para tanto, os corpos do mundo.
Ana Kesselring usa várias técnicas, cerâmica, gravura, pintura, desenho, fotografia.

Info
Trabalhos
Exposições
Textos
Imprensa
CV
Email
Instagram

Ana Kesselring


A artista vem desenvolvendo um trabalho que se foca na compreensão e representação de uma noção de corpo expandido. O corpo, no caso de sua pesquisa, engloba o humano - na maior parte das vezes feminino -  mas também o corpo animal, vegetal e mineral. Buscando maneiras de amalgamar esses elementos diversos, de forma a refletir a interdependência dos corpos do mundo e a interligação de todas as espécies viventes. Os trabalhos são constantemente fragmentados, de forma a evidenciar uma vontade de unir, mas também a dificuldade para tanto, os corpos do mundo.
Ana Kesselring usa várias técnicas, cerâmica, gravura, pintura, desenho, fotografia.

Trabalhos
2021
Anonymous

2020
Relicário
Nas Junias
Aquiles Sangrando Bic
Sem Título IV

2019
Confissões Barrocas
Cogito
Redenção

2018
Memória Celestial Empilhada

2017
Sem Título II
Sem Título III
Oferenda Macabra
Corpo Estranho
Corpinho
Coraçao de Boi
Contendo
Coluninha
Carapaça
As Varíneas

2016
Corpos do Mundo
Anatomia
Sem Título I

2013
As Bucólicas

2012
Eva

2011
Corpotopias
Guilhotinada

2010
Corpotopias
De Veias, Formas e Rios

2009
Corpotopias
Flor de Sangue

2008
Corpotopias

2007
Corpotopias

2006
Vestigios, Remains

2005
Terra Incógnita 
Paisagem Empilhada

2004
Telas Negras

2003
Utopias

2000
Paisagens

Exposições
2022
Algae Odyssey, Museu de História Natural e da Ciência, Laboratório de Química Analítica, Lisboa

2018

Arco Xabregas, Lisboa
Corpos Estranhos, Paço
Imperial, Rio
de Janeiro

2016
Ar.Co Lisboa
Ar.Co Almada

2015
Da Escrita, Delas, Elas, Museu da República, Rio de Janeiro
Corpos do Mundo, DConcept Escritório de Arte, São Paulo

2013
Portes Ouvertes, Atelier Ana Kesselring, Paris

2009
Mundo sem Molduras, MAC USP

2008
Corpotopias, Gravura Brasileira, São Paulo

2007
Corpotopias,
Galeria Sycomoreart, Paris

Corpotopias
Cité Internationale de Arts, Paris

2006
Vestígios, Remains, FAAP, São Paulo

Textos
Corpos do mundo
Regina Johas 2021


Ana Kesselring – Corpos estranhos
Ligia Canongia

Corps du Monde (Corpos do Mundo)
Fabiana de Moraes

O que é uma Corpotopia?
Henrique Marques-Samyn

Entrevista
Ju Chohfi

Tese de Mestrado, Universidade Paris 8 :
La construction de l’image dans l’oeuvre de Kiki Smith - du pli à la peau, de la peau à l’empreinte - quand les corps du monde s’entremêlent.

Imprensa

Info
CV

Email
Instagram


2 de Setembro de 2022 a 2 de Outubro de 2022
Laboratório de Química Analítica | Museu Nacional de História Natural e da Ciência 
Lisboa





A importância de ser alga


A Exposição Alga Odissey da artista plástica Ana Kesselring cruza a fotografia com a cerâmica num contexto de correlação entre o corpo humano e os outros corpos com os quais habitamos e interagimos. A exposição parece ser um apelo à consciencialização das inquietações climáticas e abusivas do ser humano, numa contestação pacífica contra os crimes ambientais. Alga Odissey revela uma postura positiva de reinterpretação do meio ambiente na forma como o sentimos e o vivenciamos.

Ana Kesselring no seu trabalho sempre evidenciou a ligação que o corpo humano e feminino, possui com outros corpos. Refletir sobre a interdependência de tudo o que existe no mundo em oposição à individualização do Homem ocidental, do seu sentimento de superioridade sobre a Natureza e consequentemente a destruição do nosso planeta. “No início o ego abarca tudo, só mais tarde separa de si próprio um mundo exterior. O nosso presente sentimento do eu é assim apenas o resquício definhado de um sentimento de longe mais amplo, na verdade, de um sentimento que tudo abarca e ao qual corresponde uma união mais intima do eu com o mundo que o rodeia”.[1]

O trabalho da artista esteve sempre ligado à investigação e é inspirado na Historia Natural, desde que veio para a Europa, com uma bolsa da FAAP de São Paulo em 2006. A artista começou por pesquisar na Biblioteca do Museu de História Natural de Paris e citando Ana Kesselring, “explorei ali as belas imagens de colecionadores de gabinetes de curiosidades, a começar pelas gravuras do gabinete do farmacêutico Albertus Seba (1665- 1736)”. A artista aí viveu e fez o seu mestrado, influenciada pelo antropólogo Maurice Leenhardt e pela descrição de algumas tribos da Polinésia, nas quais os nativos relacionavam o seu próprio corpo com a natureza que os cercava.

A instalação central é composta por dez fotografias impressas em tecido voile transparente, onde intencionalmente a artista pretendeu dar a ideia de leveza e transparência e criar um bloco que se assemelhasse a um corpo.  Interagem umas com as outras, tais corpos femininos, tais algas. Estão colocadas numa sequencia que começa com o corpo da alga e depois vai-se adensando e acaba com o corpo feminino, com a passagem da alga para o corpo feminino.  As fotografias estão suspensas no meio do Laboratório de Química Analítica, parecendo fazer-nos pensar no princípio da ideia do volátil como elemento preponderante na composição. A artista fotografou uma amiga a interagir com as algas que recolheu em Étretat, em França.

As cerâmicas colocadas nas bancadas conferem à exposição horizontalidade, em oposição à verticalidade da instalação fotográfica. Cerâmicas realizadas em alta temperatura, na sua maioria esmaltadas executadas a partir de moldes de vegetais, de peixes e de moluscos. Estes trabalhos partem de uma desconstrução, fragmentação, onde se nota a influência de Bordalo Pinheiro. Ana Kesselring começou a trabalhar estes elementos quando veio a Portugal, “no último ano comecei a trabalhar com a mistura destes elementos com o corpo feminino, moldei o corpo de uma amiga.”

A artista considera todos os corpos de igual importância quer sejam humanos ou não, continuando a citar a artista, “ao mesmo tempo, na exposição o corpo aparece sempre fragmentado, tanto na primeira bancada, que é mais como uma mesa anatómica, como na hotte que remete à relíquia e aos ex-votos. Isso está relacionado à minha história pessoal, por motivos que não vêm ao caso, deixaram-me uma percepção negativa sobre meu próprio corpo, e também pela identidade que busco construir desse corpo-alma através do meu trabalho, das minhas vivências fora do Brasil etc.”

No percepção da desconstrução da exposição sentimos a dualidade da homenagem e do sofrimento, “o movimento explica a forma! — e na sucessão também se encontrava a dor porque o corpo era mais lento que o movimento de continuidade ininterrupta. A imaginação apreendia e possuía o futuro do presente, enquanto o corpo restava no começo do caminho, vivendo em outro ritmo, cego à experiência do espírito...”[2] A exposição de uma sensualidade advinda da água e do feminino, transporta-nos para o imaginário da artista.

As preocupações ambientais são evidentes e refletem-se na exposição que nos alerta no sentido em que a nossa relação com a Natureza pode influenciar o futuro da Terra. “Talvez estejamos apenas numa encruzilhada, a agulha da bússola ainda não se tenha estabilizado na indicação de um norte e tudo isto seja normal. Talvez seja só uma questão de tempo e daqui a nada vejamos mais claro. Contudo, seria equívoco não reconhecer até que ponto vivemos um daqueles momentos em que não conseguimos dizer ao certo para onde caminhamos – nem como sociedade, nem como indivíduos.” [3]

[1] Sigmund Freud, in: O Mal-Estar da Civilização, p. 14.
[2] Clarice Lispector, in: Perto do Coração Selvagem, p.23.
[3] José Tolentino Mendonça in: O pequeno caminho das grandes perguntas, p. 70.


Curadoria de Sofia Marçal


CONVITE
Exposição de Arte e Ciência
Fotografia da Exposição: Gui Morelli



ALGAE ODYSSEY

Uma exposição de Ana Kesselring

ALGAE ODYSSEY nasceu “indoors”, mas antes da pandemia. Em casa, fotografei algumas espécies de algas com uma modelo e atriz a interagir livremente com essas plantas marinhas.

Segui, assim, um processo que tem vindo a permear o meu trabalho através de diferentes formas e técnicas: misturei múltiplos tipos de corpos, amalgamando-os de modo a confundir a sua individualidade e torná-la parte de um novo objeto, desenho ou fotografia, espelhando a interdependência dos seres do mundo.

Misteriosos, estes registos fotográficos, permaneceram guardados, até que decidi usá-los neste projeto, juntamente com moldes que realizei a partir do corpo de uma outra mulher – caucasiana, com cerca de 50 anos. O facto de as algas serem uma espécie marinha integrou-se perfeitamente num projeto de exposição a apresentar num museu cujo contexto se centra na história natural, ou seja, um espaço dedicado ao arquivo e catalogação de todo tipo de espécies da natureza que habitam o mundo, tanto acima como abaixo da terra e das águas.

Uma bióloga, que conheci durante este processo de trabalho, informou-me que as algas vermelhas que surgem nalgumas fotografias são uma das mais antigas espécies que habitam a Terra – muito anteriores à existência do homo sapiens, e anteriores ao surgimento da clorofila e das algas verdes,também presentes neste projeto. As algas vermelhas fazem parte da tão debatida “origem” do mundo e são consideradas responsáveis por grande parte do oxigénio terrestre.

A novidade que este projeto traz ao mundo da história natural, bem como ao Museu de História Natural e da Ciência, é a “mistura” da alga com o corpo humano, nomeadamente o feminino.

Seres estranhos, oriundos de estranhas conjunções, povoaram no entanto não só a mitologia antiga, como povoam ainda a mitologia atual dos vídeo-jogos ou da ficção científica. Não faltam exemplos de seres híbridos – semi-humanos, semi-peixes, semi- conchas – entre outros, provando que o imaginário permanece fértil na mistura de géneros e na conjugação de seres de diferentes origens. E, se este imaginário permaneceu reprimido ou contido no contexto da ciência, no nosso inconsciente nunca deixou de existir.

A odisseia das algas que surgiram em tempos passados e permanecem até hoje, entre nós, motivaram o projeto ALGAE ODYSSEY que teve início na costa bretã, prosseguiu até ao corpo de uma mulher, e hoje é apresentado aqui, no museu.

Para complementar esta breve apresentação cito um excerto de Italo Calvino que, de forma genial, refere o surgimento da vida humana:

“As condições da época em que a vida ainda não havia saído dos oceanos não se transformaram muito para as células do corpo humano, banhadas pela onda primordial que continua escorrendo nas artérias. Nosso sangue, de fato, tem uma composição química parecida com a do mar das origens, de onde as primeiras células vivas e os primeiros seres pluricelulares tiravam oxigênio e outros elementos necessários à vida.”

1 Calvino, Italo, “O Sangue, o Mar” in Todas as cosmicômicas, 1. ed. (trad. Ivo Barroso e Roberta Barni), 2007: São Paulo. Companhia das Letras

Ana Kesselring
Agosto 2022

ALGAE ODYSSEY

An exhibition by Ana Kesselring

Albeit before the pandemic, ALGAE ODYSSEY was born ‘indoors’ when I photographed a model-actress at my home interacting freely with several species of algae.

This followed a process that has permeated my work across various forms and techniques: the mixture and amalgamation of multiple types of bodies in a way that blurs their individuality and makes them part of a single new object, drawing or photograph, mirroring the interdependence of all the world’s beings.

These mysterious photographic records remained in storage until I decided to use them in this project, together with casts I made from the body of a Caucasian woman of around 50 years of age. The fact that algae is a marine species fit perfectly into an exhibition project to be presented in a museum focused on natural history, that is, a space dedicated to archiving and cataloguing all kinds of natural species that inhabit the world, both on the land and below the sea.

A biologist I met during my work process informed me that the red algae that appear in some photographs are among the oldest species inhabiting the Earth, appearing long before the arrival of Homo sapiens, and even before the emergence of chlorophyll and the green algae that are also present in this project. Red algae are part of the much debated ‘origin’ of the world and are considered responsible for much of the Earth’s oxygen.

The novelty that this project brings to natural history and to the Natural History and Science Museum is the ‘mixture’ of the algae with the human, specifically female body.

Strange beings originating from strange conjunctions feature not only in ancient mythology but also in our contemporary mythologies in video games and science fiction. There is no lack today of hybrid imagined beings (half-human, half- fish, half-algae), proving that our imaginations remain a fertile ground for the mixing of genres and the conjugation of beings of different origins. Even if this imaginary has been repressed or contained in scientific contexts, it has certainly never ceased to exist in our unconscious.

The odyssey of the algae that appeared in times past and which remains with us today gave rise to ALGAE ODYSSEY, a project that began on the Breton coast, continued to the body of a woman, and is presented here today in the museum.

To complement this brief presentation, I quote an excerpt from Italo Calvino, who, in his typically brilliant way, refers to the emergence of human life:

‘The conditions that obtained when life had not yet emerged from the oceans have not subsequently changed a great deal for the cells of the body, bathed by the primordial wave which continues to flow in the arteries. Our blood in fact has a chemical composition analogous to that of the sea of our origins, from which the first living cells and the first multicellular beings derived the oxygen and the other elements necessary to life.’

1 Calvino, Italo, ‘Blood, Sea’, in The Complete Cosmicomics, 1st ed. [transl. Martin McLaughlin, Tim Parks and William Weaver], 2014 New York: Houghton Mifflin Harcourt, p. 190

Ana Kesselring
August 2022